Google+ Cacau dos Livros

sábado, 1 de março de 2014

A Caixa Preta, de Amós Oz, livro pequeno em tamanho mas gigante em conteúdo. A caixa preta é um sistema de registro de vozes e de dados existentes em um avião. Em caso de desastre aéreo é a única coisa que se consegue encontrar inteira. Com ela, tenta-se reconstruir os últimos momentos dos voos, para buscar as causas da queda. No livro, a caixa preta é o que restou da relação de um casal. A  mulher procura o ex-marido, Alex Guideon, para pedir ajuda ao filho do casal, metido em diversas confusões. Enquanto trocam ideias a respeito do que fazer, também revivem o casamento, trocando acusações. O casal havia se separado sete anos antes em razão de infidelidade por parte da mulher. Havia um filho, Boaz, porém Alex deixou de reconhece-lo como tal depois de descobrir as traições. A narrativa se dá em forma de cartas que um personagem envia para o outro. É um livro denso, tenso, muito bem escrito. Praticamente não há personagem secundário. A mulher escreve para o ex-marido, que escreve para o atual marido, que escreve para o enteado, que escreve de volta para ele e para o pai. Muito bacana, recomendadíssimo!

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

O Hipnotista, de Lars Kepler...Noossa! Pegue para ler no final de semana, porque quando pegar, não vai querer largar! Trama detetivesca, a la Harlan Coben. Dois crimes acontecem em Estocolmo, na Suécia, aparentemente sem relação. Será? Em um dos crimes o hipnotista, Dr. Erik, é chamado para hipnotizar o sobrevivente de uma chacina bárbara que dizimou uma família praticamente inteira. O menino está no hospital, em choque, mas precisa falar porque é possível que o assassino ainda queira matar a irmã mais velha, que residia longe. No outro lado da cidade um adolescente é drogado com um anestésico forte, assim como sua mãe, e é arrastado para fora de seu apartamento pelos pés. A mãe assiste a cena mas não tem forças para reagir. É resgatada pelo marido, horas depois, que pensa estar diante de uma tentativa de suicídio, e levada ao hospital. Sinceramente? Coloque esse em sua lista de leituras. Vale muuuito!
Autor: Cláudia Mester
Outro grande livro finalizado! Os cadernos de Maya, de Isabel Allende, conta a história de uma adolescente usuária de drogas que se refugia em uma ilha chilena para escapar de perseguidores traficantes. Na Ilha, ao lado de um amigo da avó, num vilarejo onde único som que se ouve é o do vento, desenvolve novos hábitos, novas amizades, descobre novo sentido para a vida. Os cadernos são uma espécie de diário onde Maya conta todas as suas desventuras, desde a perda do avô tão querido, estupros, roubos, a perda da dignidade. É uma leitura fácil, embora de temática pesada. Aliás, leia tudo de Isabel Allende. Não há livro dela que eu considere chato. 
Autor: Cláudia  Mester

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

O que falar de Machado de Assis? Dizer que foi gênio, escreveu grandes obras, que imortalizou personagens muito bem descritos é lugar comum. Todo mundo diz. Garanto, no entanto, que não imaginam o que vou dizer agora: Dom Casmurro é...digamos...chaaaato! Pode ter sido um marco, entrou para a história da literatura, mas eu não o indicaria. Blasfêmia? Desculpem, mas é a mais pura realidade. É difícil me colocar na pele dos leitores da época em que o livro foi escrito, por volta de 1899,  portanto pelo status que ele alcançou, imagino que teve boa acolhida e que falava a linguagem do momento, coisa e tal. Transportando para a realidade atual, me perdoem, mas não consigo, por exemplo,  imaginar um adolescente lendo espontaneamente um clássico desses.Não me entendam mal, no entanto. Achei o livro cansativo, mas creio sinceramente que seja importante para a formação de um jovem leitor que possa passar por vários gêneros de livros, de todas as épocas, conhecer os clássicos. A leitura amplia horizontes, sempre, e não tira pedaço. É uma leitura especial, diferente da que os adolescentes gostam, mais ágil, cheia de personagens fantásticos, entretanto é importante para formação cultural do leitor. É preciso conhecer Machado de Assis tanto quanto conhecer Beethoven. Pode não ser seu estilo de música preferido, mas você tem que conhecer, até para poder fazer a crítica.
O livro trata das reminiscências de Bento Santiago, ou Dom Casmurro. Bento, que narra a história, conta como se apaixonou pela vizinha Capitu, pelos seus "olhos de ressaca", também como quase se tornou padre em razão de uma promessa de sua mãe e como conseguiu fazer com que ela "trocasse"a promessa com a ajuda de um "agregado da casa", permitindo assim que ele casasse com a amiga de infância.. O livro transcorre nessa lentidão, na descrição da vida do casal, suas amizades,  e termina com a separação de Bento e Capitu em razão de uma possível traição por parte desta. A questão final é: Capitu traiu ou não traiu o marido? Há um filho, mas ele é ou não é de Bento? Os olhos do menino se parecem muito com os olhos de um amigo de Bento. Seria sinal realmente de traição ou não passaria de uma crise de ciúmes do protagonista?  Tudo é narrado de forma simples, sem gerar grandes emoções em quem lê. Pelo menos em mim.  Leia você também e depois me conte!
Autor: Cláudia Mester